READING

Hoje é dia de te dizer adeus!

Hoje é dia de te dizer adeus!

Fotografia @ Pixabay

Apareceste na minha vida quando eu menos esperava. Não estavas planeado, nem era o momento certo para conhecer alguém como tu. Mas, nesse teu jeito genuíno e despreocupado, insististe que não havia problema em deixar-te ficar. Que não eras uma ameaça aos meus dias, à minha tranquilidade, à minha vida. E eu, mulher ingénua, acreditei.

Contigo trazias um sorriso doce. Sabias sempre que palavras dizer e como as dizer. E, sem que eu desse por isso, foste desenhando poesia nos meus lábios, que sorriam só de pensar em ti. Puxaste-me pela mão e, dia após dia, foste levando o meu coração a suspirar e a sonhar. De novo. Os dias pareciam mais alegres ao pé de ti. E, apesar do meu medo, tu, qual malabarista das emoções, soubeste delinear caminhos alternativos para chegares a mim.

Foi assim que não só entraste na minha vida, como, de repente, fazias já parte dela — de mim.

Mas, um dia, quando a minha ligação a ti era mais forte do que tudo, foste embora. Decidiste, assim, sem me consultar (como quem se julga na posse absoluta da marioneta do amor), que tudo acabava ali. A tua parte da história.

E acabou.

E é por isso que, hoje, este texto é para ti.

Para ti, que me asseguraste de que o que sentias por mim nunca me faria doer. E fez.

Para ti, que me fizeste acreditar que nos unia algo único. Mas, afinal, não era assim tão único, pois não?

Para ti, que me fizeste gostar de sentir especial para, depois, me fazeres sentir tão, mas tão irrelevante. E transparente.

Para ti, que usaste todas as estratégias para me conquistares e que, logo a seguir, me fizeste sentir que os meus sentimentos eram totalmente inúteis.

Sim, este texto é para ti, que entraste na minha vida de forma airosa para, depois, te ires embora sem querer saber da reviravolta que provocavas no meu mundo!

Olho para trás e sei que percorri um longo caminho até aqui — ao dia de hoje.

Foram anos de saudade, de angústia, a tentar calar a dor. Foram anos a relembrar-te, a querer-te, a chorar-te na ausência e no silêncio. Foram anos a mendigar uma palavra tua, que sempre me recusavas dar. Foram anos a pensar em ti, quando — percebo agora — deveria ter tido amor-próprio suficiente para pensar apenas em mim!

E é por isso que hoje estou aqui.

Porque hoje finalmente consigo fazê-lo!

Porque hoje lamento ter posto o meu coração nas tuas mãos!

Porque hoje lamento cada lágrima que chorei, cada palavra que disse, cada instante da minha vida que perdi a sofrer por ti!

E porque hoje é dia de te dizer adeus!

Não porque não estás. Mas porque, agora, sim, sou eu quem já não quer que estejas!


Olá! Eu sou a Laura, a autora deste blog e do livro «Apetece(s)-me». Sou também freelancer em desenho gráfico, ilustração, redação de conteúdos e gestão de redes sociais. Paixões? As mais simples: escrever, desenhar, música, varandas e cidades grandes. Atualmente, vivo em Londres!

  1. Elizabeth Myra fernandes ou Liz Connery

    17 Setembro

    Amei falou de mim. Parabéns.I love it . Talks about me. Congratulations.

Deixa aqui o teu comentário:

INSTAGRAM
SEGUE-ME NO INSTAGRAM
error: Copyright © Este conteúdo está protegido!
%d bloggers like this: