Que saudades de te ter ali

9271
Cartaz © Laura Almeida Azevedo
Cartaz © Laura Almeida Azevedo

Já não nos víamos há tanto tempo. Sim, tinha havido tanto tempo entre nós. Tanto silêncio. E o tempo consegue, por vezes, apagar tudo. Tinhamos dito coisas que não queríamos. Tínhamo-nos afastado um do outro com toda a força que tínhamos. Tínhamo-nos ido embora. E as palavras calaram-se. Não havia nada que elas pudessem mudar.

Tinha havido tanto silêncio entre nós, depois de tudo. E, agora, estávamos ali. Os teus olhos brandos nos meus. O teu maxilar cerrado. O meu olhar a baixar na direção das mãos. Não pronunciámos qualquer palavra. Apenas ali ficámos, assim. O teu sorriso amiúde. O meu. Uma timidez súbita, doce, feliz. Que saudades de te ter ali, junto a mim. Que saudades de poder olhar para ti, tão de perto.

E com uma certeza parva, mas tão certa, soubemos — depois de tudo, tudo — que, apesar de todo o tempo que tinha passado, ainda sentíamos o mesmo um pelo outro. Que era, afinal, como se não tivesse havido tempo algum entre nós. Que era, afinal, como se não tivesse havido sequer silêncio.

Porque nos tínhamos ido embora um do outro, desejando tanto, mas tanto… voltar.

PARTILHAR
Artigo anteriorO que são as saudades, meu amor?
Próximo artigoAconteceu: a vida é assim
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.