Os sonhos nunca podem morrer

Do livro «Apetece(s)-me»

8690
Ilustração © Laura Almeida Azevedo, do livro «Apetece(s)-me»
Ilustração © Laura Almeida Azevedo, do livro «Apetece(s)-me»

Os sonhos nunca podem morrer, Miguel. Lembra-te sempre disto. Custe aquilo que nos custar, temos de ir sempre à luta. E não é pelos outros que o devemos fazer. É por nós.

Os sonhos até podem meter-nos medo, por serem tão grandes, mas não podemos deixar que nos intimidem. Nunca.

Sabes porquê? Porque fazem toda a diferença na nossa vida.

São eles que nos motivam. São eles que nos definem. São eles que nos justificam. Percebes?

E são tudo isto desde que somos pequenos: numa altura em que, na nossa ingenuidade, ainda achávamos ser possível voar sobre as árvores, se o quiséssemos assim muito, muito.

Crescemos com esta ideia luminosa — que temos como tão certa — de que, por mais difíceis que os sonhos sejam, iremos sempre encontrar uma maneira de os realizarmos. De que basta acreditar.

E, caramba, Miguel, às vezes, os sonhos são mais do que difíceis. Parecem até impossíveis.

Mas isto do difícil e do impossível são conceitos que não compreendemos em pequenos. Para nós, não existem impossíveis.

Não fazemos ideia de que, às vezes, o simples facto de vivermos um dia após o outro já pode ser algo tão complicado, que exige tanto de nós.

Depois, acontecem coisas ainda mais surpreendentes e que arrancam o fôlego aos nossos sonhos. Quando estamos verdadeiramente confiantes do que queremos e do que estamos dispostos a fazer por isso — por aquilo que nos enche o peito de felicidade —, mandam-nos ao chão.

Tropeçamos nas pernas do mundo. Este mundo que tem inveja de quem sonha, de quem acredita, Miguel. Magoamos os joelhos. Fazemos feridas nas palmas das mãos. Achamos, lá de baixo, sentados no chão duro, que nunca mais nos iremos conseguir levantar. Nunca mais.

E é nessa altura que acreditamos que nem os sonhos dependem de nós. Sentimos, ali, que eles morreram: afogados no sangue da nossa pele e nas lágrimas que tanto nos doem. É nessa altura que dizemos a nós próprios que «os sonhos são apenas sonhos». E, na maior parte das vezes, desistimos — deles e de nós.

Mas os sonhos nunca podem morrer, Miguel. Aconteça o que acontecer, e independentemente daquilo em que a vida nos tentar transformar, os sonhos nunca podem morrer.

Temos de viver a nossa vida com eles no coração: grandes, cheios de vontade, cheios de expectativa, cheios de certezas. E, mesmo quando a vida nos abrir o coração ao meio e nele escarafunchar com dedos longos, que parecem agulhas, temos de resistir.

Aí, na verdade, Miguel, é mesmo quando temos de lutar mais.

Com unhas e dentes e seguindo o nosso instinto. Aí é quando temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para nos termos — a nós próprios — de volta e para não permitirmos que a vida nos leve, outra vez, de nós.

Por isso, quando tivermos de chorar, Miguel, choramos.

Choramos com toda a força que temos. Com toda a raiva.

Choramos com as lágrimas cheias de agonia, com os olhos fundos na nossa pele, com os gritos que normalmente mordemos.

Choramos encolhidos sobre nós próprios. Estrebuchamos.

Damo-nos o direito de sentir espasmos de dor que nos fazem ter vontade de bater em tudo: só para que nos doa mais a dor da batida do que a dor no coração.

E depois? Depois, secamos as lágrimas.

Sim, Miguel. Secamos as lágrimas e não permitimos que elas nos façam sentir ser menos do que os outros. Não deixamos que nos tirem a autoestima. Não deixamos que as lágrimas nos façam sentir fracos. Não deixamos que nos impeçam de ter orgulho em quem somos. Não deixamos.

Porque ser fraco não é chorar, Miguel. Ser fraco não é admitir a dor, nem ter dúvidas, nem precisar de respirar fundo. Ser fraco não é ter medo de falhar, nem de assumir o erro. Ser fraco não é ter medo. Ser fraco é não sentir.

FONTELivro «Apetece(s)-me» [Marcador Editora]
PARTILHAR
Artigo anteriorEstou aqui, onde me deixaste
Próximo artigoEu sei
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.