Amo-te

647

apeteces-me_website296

«Amo-te» — dizes-me.

E eu fico, por aqui, a olhar para ti. A ver os teus olhos castanhos nos meus. A sentir a tua mão apertada na minha. A ouvir a tua voz doce perto do meu ouvido. A sentir que o mundo desapareceu donde estamos: porque o mundo inteiro és tu.

«Amo-te» — digo-te.

E abraço-te com estes meus braços que te querem agarrar para sempre. Que querem ser manhã e noite inteira em ti. Que querem ter sonhos em nós. Que querem ter mãos apertadas uma na outra e vozes que embalam o amor.

«Amo-te» — dizemos.

E ficamos, por aqui, presos um no outro: sem coragem para sairmos de nós.

PARTILHAR
Artigo anteriorMorro lentamente
Próximo artigoAlgodão doce
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.