Intimidade

465

Apeteces-me_288FQuando os meus olhos caíram nos teus e os teus nos meus, o mundo inteiro calou-se. Entre nós, ficaram apenas o som tímido dos nossos sorrisos e as palavras doces, ditas em silêncio, que partilhámos apenas com o olhar.

Neste momento nosso, onde nos deixámos demoradamente ficar, o teu abraço veio ter com o meu e o meu abraçou-se ao teu — sem nos lembrarmos sequer que, para darmos mesmo um abraço, seria preciso que os nossos corpos se movessem do chão afastado onde estávamos.

Exactamente assim: quando os meus olhos caíram nos teus e os teus nos meus — eu ali e tu acolá —, demos o maior abraço de todos: aquele que é dado em silêncio; aquele que não necessita que demos passos; aquele que não precisa sequer de braços — mas que, apesar disso, se agarra a nós e nos aperta com tanta força.

E foi assim que percebemos que, nesta vida que levamos, somos tão mais do que apenas corpos. E que: a única e verdadeira medida de distância, que realmente nos afasta ou aproxima uns dos outros, chama-se: intimidade.

PARTILHAR
Artigo anteriorHoje sonhei contigo
Próximo artigoQueima-nos o peito
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.