O dia em que te conheci

5651
[Fotografia © Rachel Johnson | Flickr]
[Fotografia © Rachel Johnson | Creative Commons License | Flickr]
Lembro-me tão bem do dia em que te conheci. Chovia com tanta força que parecia que o céu precisava anunciar-te. As ruas estavam cheias de gente e os carros passavam a medo, quase mergulhados nas águas.

Eu tentava fugir dos pingos grossos da chuva, quando apareceste à minha frente. Olhaste para mim, com um sorriso amiúde nos lábios, e eu, atrapalhada, fiquei com os pés presos ao chão.

Debaixo da primeira ombreira que encontrámos, perguntaste-me o nome. Disseste-me que trabalhavas perto. Contaste-me a tua história. Quiseste, de volta, um bocadinho da minha. Contaste-me anedotas. Encolhias os ombros a cada disparate solto que dizias. Dizias que tinhas uma reunião, dali a minutos, mas que agora não te apetecia mesmo nada sair dali.

E sorriste de novo. «As melhores coisas da vida são, por vezes, as menos previsíveis: as que nos quebram a rotina, as que nos molham os pés, as que nos metem gargalhadas inesperadas nos lábios», disseste. E eu, com os meus olhos escondidos por trás dos cabelos molhados, sorri-te de volta, compreendendo tão bem aquilo a que te referias.

PARTILHAR
Artigo anteriorIntensos e apaixonados
Próximo artigoO amor não escolhe
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.