Não há idade para querer tanto

610

ApetecesmeWebsite192Ela sabia que não devia — que não deviam. Sabia que  as palavras ganhariam um peso diferente a partir do momento em que fossem ditas. Sabia que era errado dizê-las. E sabia também que as palavras — as melhores de todas — eram ditas com a língua e com os braços, que apertavam com tanta força, cheios de vontade de ficarem assim para sempre.

Mas o coração fervia-lhe na boca — por mais que soubesse. Batia como um louco: ansioso, descontrolado. E sentia-se inconsequente, por mais que a idade dissesse que deviam controlar tanta urgência. Deixaram-se levar pela paixão avassaladora — e perderam a noção do tempo, do correto. Perderam a noção da idade e do que a maturidade lhes dizia.

Foi mais forte do que eles. Afinal: não há idade para querer tanto.

PARTILHAR
Artigo anteriorO coração ligado à boca
Próximo artigoSaudades de ti
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.