Amor cego

301

apeteces-me_127

Todos os dias. A qualquer instante. Sem palavras suficientes que digam aquilo que sinto. Sem razão que modere a minha urgência por ti. Sem balanças que equilibrem esta paixão — e os meus atos, as minhas decisões galopantes a sangue quente.

Todos os dias. Frágil. Debruçada sobre a razão. Com as mãos a ferverem-me na pele. E com este meu coração quente a saltar-me do peito.

[Presa. Metida neste meu amor cego por ti.]
PARTILHAR
Artigo anteriorO amor sou eu e és tu
Próximo artigoBaixar os braços
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.