Uma carta

340

apeteces-me_077

Hoje, decidi escrever-te uma carta. E parei por uns segundos. Pensei: «As emoções mais derradeiras são aquelas que, por vezes, não conseguimos verbalizar.» E são.

Hoje, decidi escrever-te uma carta que te diga aquilo que sinto: derradeiro, emotivo, intenso, avassalador, abraçando o meu coração com tanta força que, por vezes, mal consigo respirar. Sim, mal consigo.

Mas, depois de tantas voltas em redor das palavras, das emoções e dos meus sentimentos por ti, fiquei assim: com o sangue a ferver na minha pele, com as palavras presas na minha boca e incapazes de fluírem nos meus dedos.

«Amo-te» foi tudo quanto consegui escrever.

PARTILHAR
Artigo anteriorGatos preguiçosos
Próximo artigoOs teus pés são os meus pés
Laura Almeida Azevedo
36 anos. Apaixonada por palavras, desenho e comunicação. Viciada em música e chocolates. Fascinada por pessoas, emoções e cidades grandes. Licenciada em Jornalismo. Designer gráfico, ilustradora e autora do livro «Apetece(s)-me». E a desafiadora-mor da plataforma de escrita criativa: Desafio-te.